Câmara aprova verba de R$ 2,7 milhões para reforma da Casa de Cultura

2
193
Maquete do projeto de restauração da Casa de Cultura (Imagem: Divulgação/Lar4)

Após praticamente dois meses parado na Câmara de Mirassol, o Projeto de Lei nº 62/2017, que prevê R$ 2,7 milhões de verba para a Casa de Cultura, foi aprovado pelos vereadores na sessão legislativa da última segunda-feira (9). O projeto foi aprovado por unanimidade e autoriza o município a firmar convênio com o Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos (FID), por meio da Secretaria de Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado.

No total, serão repassados R$ 2,7 milhões do órgão estadual para iniciar as obras no prédio da Casa de Cultura. Como contrapartida a Prefeitura entra com R$ 300 mil, totalizando um investimento de R$ 3 milhões. O projeto é datado do dia 24 de julho, porém ficou parado no legislativo nos últimos meses devido a diversos questionamentos por parte de alguns vereadores.

A Câmara havia solicitado informações sobre o real custo para finalizar e entregar a obra. Sem respostas, em setembro o presidente da casa, Beto Feres, encaminhou ofício novamente ao executivo cobrando esclarecimentos e recebeu como resposta que “o valor conveniado contempla a execução total do projeto em relação às obras de engenharia civil, como a revisão da parte elétrica e hidráulica, a pintura, as instalações contra incêndio e a revisão de esquadrias”.

De acordo com declarações do diretor do Departamento de Obras, Antônio Carlos Doimo, “ficam de fora do valor conveniado a compra de ar condicionado, das poltronas, a instalação de cenários e os equipamentos para som”. A Prefeitura informou ainda que não existe uma previsão de orçamento para a conclusão da obra, que é estimada em quase R$ 7 milhões.

Casa de Cultura

Casa de Cultura está fechada a quase uma década (Foto: Juliana Elias)

A Casa de Cultura, ou Cine Teatro São Pedro, foi inaugurado em 1929 idealizado por Cândido Brasil Estrela e projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo conhecido por suas obras na Capital. O local era um centro de referência em teatro, cinema, patinação e funcionava até como hotel. Depois de décadas sem manutenção, o prédio acabou interditado a cerca de 10 anos.

Projeto

Em 2012 um projeto de restauração foi elaborado pelos arquitetos Arthur Henrique Soares Souza e Susanna Muntané Casanova, que têm vasta experiência no restauro de prédios históricos, inclusive com trabalhos desenvolvidos na Europa, com ênfase na Espanha, terra natal de Susanna. Os profissionais ainda contaram com o apoio do Departamento de Cultura, do Museu Municipal e da Fundação Cândido Brasil Estrela.

Projeto da Casa de Cultura sendo apresentado em 2012, quando foi elaborado e entregue (Foto: Natália Campanholo)

A ideia do projeto é manter a estrutura dos anos 50, realizando as adequações necessárias. Segundo os arquitetos, será mantida a sala de projeção do antigo cinema, que irá se tornar um museu dos equipamentos utilizados na época, incluindo o paletó utilizado pelo último projetista que trabalhava ali. No segundo andar, onde funcionava o antigo hotel, a ideia é instalar o Departamento de Cultura. “Toda a parte de prospecção será mantida, incluindo as pinturas, pois seria um pecado não as preservar. O novo elevador e uma nova escada darão acesso ao mirante, que é a parte superior da Casa. Ali, poderá ser desenvolvido um barzinho, com local para apresentações, ou qualquer outro tipo de evento. A ideia foi manter o máximo possível da estrutura antiga, pois sei que existe muita gente na cidade com alguma história ligada à Casa de Cultura”, comentou o arquiteto Arthur Soares na época.

Próximo passo

Com a aprovação da verba a Prefeitura agora deve preparar um processo licitatório para contratação da empresa que vai iniciar as obras na Casa de Cultura.

2 COMENTÁRIOS

  1. Complemento mais completo de…
    MINHAS LEMBRANÇAS e o Cine Theatro São Pedro na minha vida de garoto em Mirassol:

    Quando garoto, entre 8 e 9 anos, fui assíduo frequentador, de domingo a domingo, do Cine Theatro São Pedro de Mirassol-SP no final dos anos 50, principalmente nos anos de 1957, 1958 e 1959.
    Aos domingos era uma festa o dia todo, de manhã eu ia à Missa Matinal (das 08hs da manhã) na Igreja Matriz na atual Praça Dr. Anísio José Moreira (naquela época o Dr. Anísio como a gente o chamava ainda era vivo e passava quase todos os dias em frente da minha casa no Bairro São José, na saída pra Jaci, indo para a Sede da Fazenda, cuja PORTEIRA da entrada principal ficava no final de uma estradinha de terra batida que ligava o final da minha rua (um quarteirão após minha casa no final do Bairro São José, na época) até chegar e acabar na frete da Porteira da Fazenda do Dr. Anísio Moreira)… após a MISSA íamos (a garotada toda) para a famosa sessão de “Zig Zag” do Cine Teatro São Pedro nas manhãs dos domingos em Mirassol.
    Terminada a sessão Zig Zag voltávamos da Praça pra casa (no meu caso era distante exatamente 10 quarteirões da Praça até em casa) para “matar a fome” com o delicioso ”almoço da Mamma” com farta e suculenta macarronada junto de um frango caipira cozido com diversos tipos de molhos preparados pela minha mãe que faziam a alegria da minha família aos domingos … huuummm dá até água na boca só de pensar !!
    Terminado o almoço, começava a correria novamente para voltar logo para a Praça, para não perder a sessão da Matinê do Cine Teatro São Pedro, que começava pontualmente às 15hs todos os domingos à tarde.
    Às 14hs eu já estava pronto para subir (assim que a gente dizia) da minha casa até a Praça da Matriz (na época assim chamada !), indo a pé percorrendo os 10 quarteirões (e me lembro bem que no trajeto, principalmente no final do ano de 1957, eu via pelo caminho os CANTEIROS de OBRAS e MUITO BARRO quando chovia forte pois que o Prefeito MAÍNHA estava fazendo o calçamento de ruas do Centro de Mirassol com aqueles blocos de concreto, que penso devam existir até hoje por lá em muitas ruas de Mirassol !).
    Por volta de 14:30hs lá estava eu chegando na Praça carregado de Gibis dos anos 50 (hoje são ditos Gibis Antigos da Década de 50): Roy Rogers, Zorro, Tarzan, Fantasma, Búfalo Bill, Capitão Marvel, Mandrake, Pato Donald, Super-homem, Batman, Zé Carioca e os disputadíssimos ALMANAQUES de FAROESTE da época, bem como, de muitos Álbuns de FIGURINHAS em que fazíamos trocas: de Gibis e Figurinhas, com outros Garotos Colecionadores naquela meia hora que antecedia a Sessão da Tarde das Matinês no Cine Teatro São Pedro de Mirassol.
    Habitualmente nas sessões de Matinês aos domingos eram projetados filmes de SERIADOS (intermináveis como as Novelas de hoje em dia) e claro, a continuação do filme era no próximo domingo e lá estava eu pois não podia perder de jeito nenhum a sequência do SERIADO (o fio da meada do enredo do filme). Obviamente na época, os SERIADOS e FILMES eram antecedidos pelo NOTICIÁRIO SEMANAL HABITUAL do famoso CANAL 100.
    O famoso Canal 100 foi um “cinejornal” brasileiro fundado em 1957 por Carlos Niemeyer, produtor e proprietário, que inicialmente tinha o nome de “Lider Cinematográfica”, que funcionou até 2000. Com sede no Rio de Janeiro, o cinejornal era exibido semanalmente em sessões de cinema espalhados por todo o Brasil em que realizava sobretudo documentários cinematográficos de eventos importantes do país e do futebol na época.
    Tornou-se conhecido pela qualidade da filmagem dos jogos de futebol com uma visão documental e uma narrativa dramática no Maracanã. Teve um cinegrafista particularmente famoso: Francisco Torturra. De seu acervo foram realizados vários filmes de longa metragem, como “Brasil Bom de Bola e Futebol Total”.
    No final da década de 1950, durante o governo JK, surgiram vários cinejornais com o objetivo de cobrir a construção de Brasília, sendo o Canal 100 um deles.
    Carlos Niemayer, típico “carioca da gema”, teve a grande virada de sua vida ao sair da força aérea brasileira para se dedicar à carreira de piloto privado, onde tomou contato com Jean Mazon, famoso cineasta, criador de numerosos documentários sobre o Brasil. A ligação de Carlos Niemayer e Jean Mazon foi significativa. As viagens pelo Brasil, o contato com a realidade interiorana, a exuberância da natureza e, principalmente, conhecer uma forma de produzir cinema, levaram o piloto a abandonar sua carreira nos ares pela incerteza de ser um cineasta em um país subdesenvolvido. Depois de fazer alguns documentários com Jean Mazon, a compra do espólio da empresa Líder Cinematográfica foi o próximo passo rumo a uma modalidade de cinema (o cinejornal) que, já na década de 1950, não vivia seus melhores dias.
    Um dos fatores fundamentais para a permanência do Canal 100 no ar durante tanto tempo (1959-1986) foi a sua forte relação com os governos militares no pós-64.
    Assisti muitas notícias, via Canal 100, nas sessões de cinema do Cine Theatro São Pedro, nos anos de 1959 e 1960.
    Assim era a vida da época e terminada a sessão da Matinê, eu ainda ficava um pouco mais na Praça da Matriz trocando figurinhas e Gibis com outros garotos, voltando pra casa ao entardecer para tomar banho, jantar e se havia um bom filme com censura livre na sessão da noite, eu me preparava rápido pra voltar ao Cine Teatro São Pedro para a sessão do domingo à noite.
    Por isso, pra mim, o domingo era só festa, dia e noite com muita diversão, alegria e felicidade!
    Por isso digo que curti muito a Sala de Projeções de Cinema do Cine Teatro São Pedro naqueles tempos no final dos anos 50 que eu chamo de “IDADE ou ERA da INOCÊNCIA” devido a pureza D’alma dos filmes da época, da qual me lembro bem das POLTRONAS LARGAS de COURO VERDADEIRO e muito confortáveis que existiam somente no setor superior que ficava logo na entrada da Sala, que era acessado subindo por escadarias que levavam à área PULLMAN (com preço mais caro), assim chamada na época !!

    Mas antes de adentar à Sala, logo após a entrada no Cine, havia um balcãozinho de Vendas de Balas, Drops, Pipocas, Chocolates, Chicletes, etc. .. alí comprei MUITAS BALAS CHITA, bem como Drops Dulcora, Chicletes Adams, Balas Paulistinha da Dizzioli e Chocolates Pan… (até tempos atrás ainda existia Balas Chita e o Chocolate Pan .. não sei se ainda existem).

    Era pura alegria … e me lembro bem de um domingo à tarde numa sessão ESPECIAL da matinê do Cine Teatro São Pedro em que foi projetado o Filme Longa Metragem BEN-HUR (acho que tinha umas 3,5 horas de filme e dever ter sido no ano de 1957, não me lembro bem da data!) em que minha mãe quis porque quis assistir esse filme e assim, ela foi junto comigo naquela tarde em que assistimos juntos o filme épico (original) de BEN-HUR, de censura livre, que foi a ÚNICA VEZ na vida em que minha mãe foi comigo a um cinema,.. e chorou até!
    Ótimas Lembranças .. não moro mais em Mirassol a anos (mas tenho um bom Livro escrito, autografado com dedicatória a uma criança, eu na época, que me foi dado pelas próprias mãos do autor, o Dr. Ariovaldo Corrêa que na época era Gerente Geral da Agência do Banco do Brasil de Mirassol, em que ele relata toda a história de Mirassol até os anos 60 (ganhei o livro dele no início dos anos 60).
    Outra coisa que me lembro bem eram as MARAVILHOSAS FESTAS de SÃO PEDRO, de antigamente nos anos 50, imbatível em todo o interior do Estado de São Paulo, assim como lá estava eu na Praça (que é muito diferente da atual) no dia da inauguração das “Famosas Fontes Luminosas” da Praça da Matriz de Mirassol (acho que a inauguração foi em uma Festa de São Pedro no ano de 1957 ou 1958, não me recordo bem o ano!) que foram construídas pelo melhor Prefeito que Mirassol já teve em toda a sua história, o MAÍNHA, que também fez o calçamento de todo o centro antigo de MIRASSOL com aqueles blocos de cimento que contei anteriormente.
    Ah .. e para finalizar foi uma grata surpresa pra mim que fui sempre um frequentador e admirador do Prédio do Cine Teatro São Pedro saber que o Projeto Original é do Arquiteto Ramos de Azevedo (disso eu não sabia até hoje, só fiquei sabendo agora através dessa reportagem de vocês!)
    Parabéns… TEM QUE RESTAURAR TUDO e PRESERVAR MESMO o PATRIMÔNIO HISTÓRICO da cidade, o melhor que puderem .. afinal é um Projeto Arquitetônico belíssimo e imponente de RAMOS de AZEVEDO, raríssimo no interior de São Paulo!

    Hoje em dia moro noutro Estado, mas nunca me esqueci de minha infância maravilhosa em Mirassol e nas Cidades & Vilas vizinhas dos arredores, tais como: Neves Paulista, Jaci e Monte Aprazível, ou seja, tudo ali do lado, nos anos 50.

  2. Fui assíduo frequentador do Cine Teatro São Pedro no final dos anos 50.
    Aos domingos de manhã após a Missa matinal na Igreja Matriz, às 10hs íamos pro Cine São Pedro para a famosa sessão Zig-Zag da GAROTADA. Depois, no domingo a tarde, voltava de casa pra Praça carregado de Gibis e Figurinhas pra trocar com outros Garotos e principalmente pra assistir a sessão da Matinés com aquelas Séries intermináveis de Zorro, Tarzan e outros que não me lembro mais… e mais, se a noite houvesse algum filme bom e de censura livre ainda voltava pra sessão dos domingos a noite.. era só alegria e felicidade !!
    Curti muito a Sala de Projeções de Cinema do Cine Teatro São Pedro naqueles tempos da inocência (a maioria de filmes de pureza D’alma).. !!
    Logo após entrar no Cine, havia um balcãozinho de Vendas de Balas, Drops, Chocolates, Chicletes, etc. .. comprei MUITA BALA CHITA ali, bem como Drops Dulcora, Chicletes Adams, Balas Paulistinha da Dizzioli e Chocolates Pan… (até tempos atrás ainda existia Balas Chita e o Chocolate Pan .. não sei se ainda existem)…
    Mas era só alegria … e me lembro de um domingo a tarde na matiné que minha mãe foi junto 9ela nunca ia comigo no cinema), mas naquele domingo, em 1957 acho eu, passava o Filme do Ben-Hur e ela quis porque quis ir assistir o filme .. e foi .. chorou até !!
    Ótimas Lembranças .. não moro mais em Mirassol a anos, mas me lembro bem de tudo isso, assim como das MARAVILHOSAS FESTAS de SÃO PEDRO nos anos 50, imbatível em todo o interior do Estado de São Paulo, assim como, no dia da inauguração das Fontes Luminosas (acho que foi em 1957 ou 1958) construídas pelo melhor Prefeito que Mirassol já teve em toda a sua história, o MAIANHA, que também fez o calçamento de todo o centro antigo de MIRASSOL com aqueles blocos de cimento que anos atrás ainda havia muitas ruas com calçamento feito por ele também no final dos anos 50.
    Ah .. pra finalizar,.. foi uma grata surpresa pra mim que fui sempre um frequentador e admirador do Prédio do Cine Teatro São Pedro saber que é um Projeto de Ramos de Azevedo (disto eu não sabia até hoije .. fiquei sabendo disso agora por essa reportagem de vocês .. Parabéns… TEM QUE RESTAURAR TUDO e PRESERVAR o melhor que puderem .. afinal é um RAMOS de AZEVEDO,… raríssimo no interior de São Paulos e mesmo na Capital.
    Hoje em dia moro até em outro Estado, mas nunca me esqueci de minha infância maravilhosa quase toda vivida em Mirassol (Neves Paulista e Jaci, ali do lado) nos anos 50.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here