Na manhã desta quinta-feira, 4 de junho, a Sanessol inaugurou a Estação de Tratamento e Esgoto (ETE) Fartura, colocando Mirassol entre os poucos municípios brasileiros e do Noroeste Paulista que têm 100% do esgoto e água tratados. A cerimônia de entrega da obra aconteceu na nova instalação e reuniu autoridades e imprensa, além de profissionais que atuam na empresa.

Estiveram presentes o diretor da Sanessol, Antonio Hércules Neto, o diretor da Iguá Saneamento, Péricles, o Prefeito André Vieira e o vice Tiago Rodrigues, o presidente da Câmara Marco Alves e os vereadores, Nardin, Pedro Palma, Walmir Chaveiro e Daniel Sotto.

Descerramento da placa (foto: Juliana Elias)

 

Com investimentos de aproximadamente R$ 12 milhões, a instalação ocupa uma área de 15 mil metros quadrados e eleva o índice de tratamento de esgoto na cidade, que atualmente é de 80%, para a universalização. A ETE tem capacidade para tratar cerca de 130 mil litros de esgoto por hora, com a expectativa de atingir uma eficiência de 97% a 99%, ou seja, no final do tratamento serão removidas praticamente toda a carga orgânica presente no esgoto.

Durante a inauguração, Péricles Weber, diretor de operações da Iguá Saneamento – da qual a Sanessol faz parte, destacou que menos de 100 cidades do Brasil estão universalizadas e possuem água potável. De acordo o Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento (SNIs), a média brasileira é de apenas 42%.

“Não apenas a população se beneficia em termos de saúde, mas principalmente em termos de meio ambiente que se preserva aqui, não apenas para Mirassol e região, mas também para as futuras gerações. A Iguá saneamento é um grupo que opera em 16 cidades diferentes, Mirassol é uma delas e aqui nós atingimos esse nível de universalização, esse é um dos destaques do grupo Iguá, por ser uma empresa que consegue ter esse nível de atendimento. Nossa preocupação aqui é de que todas as outras cidades atinjam esse mesmo nível que Mirassol. ” Péricles weber , diretor de operações da Iguá Saneamento

O diretor da Sanessol, Antonio Hercules Neto, destacou que esse processo de universalização é recente e que há pouco mais de dez anos, Mirassol vivia outra realidade

“É importante resgatar que há 11 anos não existia tratamento de esgoto no município. Em poucos anos, foram construídos três sistemas, obras importantes para o desenvolvimento local, o aumento da qualidade de vida dos moradores e a preservação dos recursos naturais” Antonio Hercules Neto, diretor da Sanessol. 

O novo sistema Fartura conta com a Estação de Tratamento de Esgoto, três estações de bombeamento e um emissário de mais de dois quilômetros para levar o esgoto dos imóveis até a estação. Com isso, os moradores dos bairros Condomínio Tedeschi, Condomínio Fartura, Centro, São José, Renascença, Vale do Sol, Miraflores, Cohab I, Parque da Nascente do São José, São Bernardo IV, San Diego poderão contar com o tratamento de esgoto. No total serão beneficiadas 11,5 mil pessoas.

O prefeito de Mirassol, André Vieira (PTB), frisou o impacto positivo que a obra vai ocasionar tanto para o meio ambiente quanto para a saúde pública.

“O mais importante que a gente tem que salientar é o ganho da saúde pública, o fato das pessoas estarem consumindo uma água de qualidade é muito importante e o fato do esgoto estar voltando ao meio ambiente tratado é mais gratificante e mais importante ainda”. André Vieira, Prefeito de mirassol. 

Foto: Ricardo Boni

 

 

Números da ETE fartura

 

  • Cerca de R$ 12 milhões de investimento
  • 331 dias de trabalho
  • 3 elevatórias de esgoto
  • 2,2 quilômetros de emissário
  • 10 bairros atendidos
  • 11,5 mil pessoas beneficiadas
  • 130 mil litros de esgoto tratado por hora, com eficiência de 97% a 99%
  • 6 mil metros cúbicos de terra foram retirados para a construção da lagoa, o que representa três piscinas olímpicas

 

Inovação e tecnologia

 

Foto: Ricardo Boni

A tecnologia empregada na ETE é uma das mais sofisticadas do setor. Trata-se de uma junção do sistema biológico, filtração de membranas e desidratação de lodo. O processo se inicia com a passagem do efluente por um sistema de pré-tratamento sofisticado que conta com gradeamento automático e um processo de retirada de areia mais eficiente. É o chamado tratamento primário.

Em seguida, o efluente segue para a lagoa de lodos ativados onde é realizado o processo de tratamento com decomposição da matéria orgânica para reduzir ao máximo a carga poluidora. Depois, o efluente segue para o tanque de membranas – uma novidade aplicada em estações de tratamento de esgoto – onde ocorre a filtração do efluente, retirando todos os resíduos sólidos com eficiência para atender às exigências dos órgãos ambientais. É nessa etapa que ocorre também a recirculação do lodo utilizado na lagoa.

O processo de tratamento é concluído na escada hidráulica onde o efluente é oxigenado de acordo com as exigências dos órgãos ambientais para, então, ser destinado ao córrego Fartura com elevado padrão de qualidade.

 

Sustentabilidade

 Uma das principais inovações da ETE é a utilização das membranas. A qualidade de tratamento proporcionada por esse sistema tecnológico é tão eficiente que possibilita a implantação de água de reuso. Ou seja, a estação é autossuficiente, e apresenta baixo consumo de água e energia, já que toda a operação é controlada por sensores e válvulas automáticas.

A água de reuso será destinada para lavagem dos equipamentos da estação e preparação das soluções de CIP (Clean In Place) – substância responsável pela limpeza dos resíduos de produtos químicos de todas as partes do sistema, sem precisar de desmontagem.

 

Passos da universalização

 Em 2010, os primeiros passos para a universalização do esgotamento sanitário em Mirassol começaram com a entrega da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Piedade – um avanço para o saneamento básico local. A obra foi inaugurada no aniversário de 100 anos da cidade. Dois anos depois, em 2012, concretizou-se mais um marco com a inauguração da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Fundão, atingindo 80% de tratamento.

 

Saúde

A Organização Mundial de Saúde ressalta que a cada real investido em saneamento economiza-se nove reais em saúde. Para os especialistas da OMS, saneamento básico é qualidade de vida, promoção da saúde e um fator essencial para o desenvolvimento econômico e social de uma cidade.

As doenças relacionadas à ausência de tratamento de esgoto afetam muitas cidades do país e atingem pessoas de todas as idades, porém a pesquisa “Saneamento e Saúde”, do Instituto Trata Brasil, realizada em 2008, mostra que as principais vítimas da falta de esgoto são as crianças de 1 a 6 anos. Mirassol anda na contramão dessa estatística por ter 98% dos esgotos domésticos tratados e um lugar de destaque no cenário nacional como um dos municípios com melhor cobertura de tratamento de esgoto do Brasil.

 

Sobre a Sanessol – Por meio de concessão plena com validade de 30 anos, a Sanessol assumiu os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município em 2008. A empresa atende a cerca de 58 mil pessoas e tem como objetivo universalizar o acesso da população à água de qualidade e à coleta e tratamento de esgoto. Com participação acionária da Aviva Ambiental, a Sanessol faz parte da Iguá Saneamento, companhia que está presente em cinco estados brasileiros através de 18 operações, com o compromisso de ser a melhor empresa de saneamento para o Brasil.

Sobre a Iguá – Sobre a Iguá Sanemento: A Iguá é uma nova companhia de saneamento, controlada pela IG4 Capital, que atua no gerenciamento e na operação

de sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, por intermédio de concessões e de parcerias público-privadas. Atualmente, está presente em cinco estados brasileiros: Alagoas, Mato Grosso, Santa Catarina, São Paulo e Paraná, por meio de 18 operações, que somadas beneficiam cerca de 6,6 milhões de pessoas. O alcance dos serviços prestados pela companhia a coloca entre os principais operadores privados do setor de saneamento do país. Em 2018, foi eleita pelo segundo ano consecutivo uma ótima empresa para se trabalhar pela consultoria Grate Place to Work (GPTW). Atualmente, emprega cerca de 1,5 mil pessoas. O nome Iguá é uma referência direta ao universo em que atua: em tupi-guarani, “ig” que dizer água.