Todo início de ano é necessário ligar o alerta quando o assunto é dengue, 2019 foi um ano em que a doença se espalhou com força em várias regiões do país, foram aproximadamente 1,5 milhão de casos e cerca de 700 pessoas morreram em decorrência de problemas causados pela dengue.

Em Mirassol, de acordo com a Prefeitura Municipal, foram 774 casos confirmados, fora outras 1444 notificações de suspeita ao longo do ano. O total de casos positivos é quase três vezes maior do que em 2018, quando foram registradas 288 pessoas infectadas com o vírus.

No começo desde ano aparentemente o “surto” não está se repetindo, a Prefeitura informou que foram contabilizadas apenas 15 notificações suspeitas e um caso confirmado, mas este já havia apresentado os sintomas ainda em 2019. Os dados são referentes ao último dia 11 de fevereiro. Para efeito de comparação, em janeiro e fevereiro do ano passado já eram mais de 230 casos confirmados.

O verão e o período de chuvas podem tornar o ambiente mais propício a procriação do mosquito transmissor da dengue, para se proteger a melhor solução ainda é se prevenir. Não acumulando entulhos ou objetos que possam acumular água parada, como pneus, copos plásticos e outros.

 

Mirassol fecha 2019 com 774 casos positivos de dengue (Imagem: Divulgação/Pxfuel)

Confira algumas dicas de como evitar a proliferação do mosquito da dengue

De acordo com estudos, 80% dos criadouros do mosquito estão em residências. “É um animal originário da África e está presente em praticamente todos os países. A taxa reprodutiva desse inseto é maior no verão e, como ele depende de água para se reproduzir, a associação de chuva e calor é a que melhor combina para o desenvolvimento”, explica Lincoln Suedesk, pesquisador do Laboratório de Parasitologia do Instituto Butantan, em entrevista ao Via SP, podcast do Governo do Estado de São Paulo.

“Isso não significa que eles só se reproduzem no verão. Estudos do Instituto Butantan indicam que esses insetos possuem alta capacidade de adaptação a várias situações e, muitas vezes, até a desenvolver resistência a métodos de controle, como inseticidas”, alerta Lincoln Suedesk.

Focos

Plantas com recipientes que acumulam água são alguns dos principais focos para o desenvolvimento do Aedes aegypti. Cida Aguiar, moradora da Penha, na zona leste da capital, sempre toma cuidado para evitar que os mosquitos se desenvolvam no apartamento em que reside. A prática começou quando ela morava em uma casa.

“O cultivo era no jardim que não tivesse vasos. As plantas que não fossem de jardim, tipo orquídeas e samambaias, eram penduradas. Quando eu as molhava, não havia acúmulo de água. Hoje, as minhas plantinhas são suculentas, pois não preciso molhar sempre”, revela.

O descarte de pneus usados nos postos de coleta da prefeitura também representa um cuidado para o combate ao inseto. Objetos como potes e garrafas também devem ser retirados dos quintais, uma vez que os ovos do mosquito sobrevivem por meses em locais secos antes de entrarem na água e se transformarem em larvas.

Em 2017, o corretor de imóveis Claudio Baldin contraiu dengue na capital. A profissão faz com que ele visite casas vazias e sem os cuidados diários dos proprietários quanto aos terrenos. “Esses imóveis ficam muito tempo abandonados e o mato cresce. Apenas o terreno é valorizado”, afirma.

Hidratação

Marcos Boulos, assessor especial para Doenças Infeciosas da Secretaria de Estado da Saúde, destaca os procedimentos para tratar a doença. “A pessoa não tem um tratamento específico contra o vírus. Para evitar o agravamento, é fundamental se hidratar, pois a doença se caracteriza pela perda de água. Às vezes, é necessário que o paciente seja internado para tomar soro na veia e evitar complicações”, ressalta, em entrevista ao podcast Via SP.

Os interessados podem obter mais informações pelo site da Secretaria de Estado da Saúde.