A Invenção do Nordeste – do Grupo Carmin – Foto José Tellys Fagundes

 

O premiado espetáculo “A Invenção do Nordeste”, do grupo Carmin de Natal-RN, irá abrir a “Mostra Cênica Resistências”, que começa nesta quarta-feira, 5 de fevereiro, e vai até domingo, 10, levando uma série de atrações gratuitas a Rio Preto. A performance de abertura acontece no Teatro do Sesc, às 20 horas, a retirada de ingressos pode ser feita no próprio local, meia hora antes.

“A Invenção do Nordeste” aborda de maneira leve e ao mesmo tempo crítica da construção histórica da imagem estereotipada do Nordeste e do nordestino. A peça é inspirada no livro homônimo do historiador Durval Muniz de Albuquerque Jr, e nasceu a partir de inquietações da atriz Quitéria Kelly, que faz sua estreia na direção, diante de uma série de reações xenófobas contra os nordestinos durante as eleições presidenciais de 2014. O espetáculo venceu a categoria Melhor Espetáculo do Prêmio Cesgranrio de Teatro e do Prêmio Cenym. Além disso, concorre ao Prêmio Shell de 2018 em duas categorias, Autoria e Direção, e ao Prêmio Botequim Cultural, em Melhor Espetáculo, Direção e Dramaturgia.

Outras três apresentações vão marcar o primeiro dia da Mostra, a Praça Dom José Marcondes vai receber o espetáculo “Imprudências Poéticas”, da Cia. dos Pés (São José do Rio Preto/SP), às 17 horas. Inspirado na obra do escritor moçambicano Mia Couto, o trabalho é uma interferência poética, em que a dança serve de palavras para questionar muros construídos em função de medos criados pelo ser humano.

Às 21h, no Cursinho Alternativo, o público poderá conferir a videoinstalação “Abismo”, de Jef Telles/Agrupamento Núcleo 2 (São José do Rio Preto/SP), obra de cinema expandido que interage com o espectador por meio de um mecanismo interativo. No mesmo local, às 22h, a jovem Cia. Quadro Negro (Ribeirão Preto/SP) apresentará “Húmus: Corpos Invisíveis”. O trabalho aborda de forma didática como se estrutura o racismo na sociedade brasileira. O texto é uma criação coletiva, em que os artistas enfocam temas e fragmentos da própria resistência cotidiana.

A Mostra está em sua terceira edição e vai levar ao público 24 apresentações artísticas, entre elas teatro, dança, performances e artes integradas. Também terão nove ações formativas e um bar cultural, que será palco de 13 shows musicais. A RESISTÊNCIA é o tema mobilizador da MOSTRA CÊNICA – que explora a temática por meio do conteúdo e estéticas das obras apresentadas; seja pelos meios de existência e manutenção dos artistas, grupos e coletivos, bem como suas formas de criação, produção e difusão e seus posicionamentos diante das urgências da sociedade.

Fabiano Amigucci, ator da Cia. Cênica e um dos organizadores, considera que a arte e a resistência estão interligadas, especialmente no teatro, e isso se reflete na programação da mostra. “Muitos espetáculos discutem questões urgentes da sociedade e, além disso, a resistência vai além das obras em si, está presente no próprio processo de criação e no posicionamento do artista diante do mundo. A resistência é o que move a arte”, diz ele, que fez parte da curadoria.

Além do Teatro do Sesc, a MOSTRA CÊNICA vai ocupar os seguintes locais: Cursinho Alternativo, Instituto As Valquírias, Ocupação Vila Itália, Praça das Rosas, Praça Dom José Marcondes, Sede Cênica e Terminal Rodoviário. Os ingressos para as apresentações em locais com lugares limitados (caso do Palco do Cursinho Alternativo e Sede Cênica) devem ser retirados 1h30 antes. Em espaços alternativos e áreas públicas (Arena do Cursinho Alternativo, Instituto As Valquírias, Ocupação Vila Itália, Praça das Rosas, Praça Dom José Marcondes e Terminal Rodoviário), não será necessário retirar ingressos.

“Pensar uma mostra como essa já é resistir, e todo o tecer deste projeto se faz com resistências e por pessoas, grupos e instituições que resistem”, pontua a atriz e bailarina Andrea Capelli, que integrou a curadoria ao lado de Amigucci e de Fagner Rodrigues, diretor da Cia. Cênica e também um dos organizadores.

Bar cultural e shows musicais

O Alternativo será palco do bar cultural do evento, que funcionará como ponto de encontro e diariamente contará com programação musical, a partir das 23h, aberto ao público e sem necessidade de retirar ingressos. Nesta quarta, quem se apresenta é o trio JEZ (formado por Jaqueline Cardoso, Elis Ribeiro e Zu Laiê), com o show “Elas Cantam Elas”. Depois, entra em cena Jeff Santanielo, com o projeto Fake MixTape, apresentando a playlist Saravenses.

 

Realização

A realização da MOSTRA CÊNICA RESISTÊNCIAS é da Cia. Cênica (companhia teatral fundada em 2007 em São José do Rio Preto) e do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial da Cultura, ligada ao Ministério da Cidadania. O patrocínio é da Usina Santa Isabel S/A e da Hy-Line do Brasil, por meio da Lei Rouanet. O evento tem apoio do Sesc Rio Preto, Cursinho Alternativo, Prefeitura de Rio Preto e Mindy Comunicação, e parceria do Programa de Ação Cultural – ProAC Editais e do Prêmio Nelson Seixas.

 

Atividades formativas

As atividades formativas vão promover a aproximação e provocar reflexões entre público, artistas, pesquisadores, companhias e coletivos, com ações como oficinas, lançamento de livro, diálogos públicos, debates, entre outras.


A oficina Sistema de Som e Live P.A. vai abrir a programação de formativas, nesta quarta, às 13h, no Alternativo. A atividade é proporcionada pelo Festival Fluxxo, evento itinerante de música independente que em São José do Rio Preto acontece dentro da programação da MOSTRA CÊNICA. São 20 vagas e as inscrições pelo link https://fluxxo.cc/Oficina-Sistema-de-Som-e-Live-P-A.

As demais formativas não necessitam de inscrição antecipada. Na quarta, também acontece o primeiro encontro do Painel Crítico, em que os participantes vão produzir exercícios críticos sobre os espetáculos, disponibilizados em http://ciacenica.com.br/sit/mostracenicaresistencias/ e em versão impressa no Cursinho Alternativo.

Confira abaixo a programação completa da MOSTRA CÊNICA RESISTÊNCIAS 2019.

APRESENTAÇÕES:

Dia 6, quarta-feira:

Imprudências Poéticas – Cia. dos Pés (São José do Rio Preto/SP):

17h |Praça Dom José Marcondes | Grátis | Não é necessário retirar ingressos

Com a licença poética de Mia Couto, “Imprudências Poéticas” invade o horizonte da construção urbana e com uma dança poema pausa o conturbado espaço de concreto. O trabalho é uma interferência poética, em que a dança serve de palavras para questionar os tantos muros construídos em função dos medos também criados por nós.

https://www.youtube.com/watch?v=rzZWbvkW78c&feature=youtu.be

Espetáculo de abertura

A Invenção do Nordeste – Grupo Carmin (Natal/RN)

20h | Teatro do Sesc Rio Preto | Class. 12 anos | Grátis | Retirada de ingressos no local

Um diretor é contratado por uma grande produtora para realizar a missão de selecionar um ator nordestino que possa interpretar com maestria um personagem nordestino. Depois de vários testes e entrevistas dois atores vão para a final e o diretor tem sete semanas para deixá-los prontos para o último teste. Durante as 7 semanas de preparação, os atores refletem sobre sua identidade, cultura, história pessoal e descobrem que ser e viver um personagem nordestino não é tarefa simples. O espetáculo é uma obra de auto-ficção baseada no livro homônimo do Dr. Durval Muniz de Albuquerque Jr. Dirigida por Quitéria Kelly, com dramaturgia de Henrique Fontes e Pablo Capistrano.

Link para vídeo/teaser: https://vimeo.com/278370692

Abismo – Jef Telles/Agrupamento Núcleo 2 (São José do Rio Preto/SP)

21h | Cursinho Alternativo – Arena | Class. 14 anos | Grátis

“Abismo” é uma obra de cinema expandido que interage com o espectador por meio de um mecanismo interativo. Utilizando uma narrativa audiovisual, aliada a um fone de ouvido binaural, o público acompanha a história através de suas próprias escolhas.

 Húmus: Corpos Invisíveis – Cia. Quadro Negro (Ribeirão Preto/SP)

22h | Cursinho Alternativo – Palco | Class. 14 anos | Grátis | Ingressos no local

Húmus-Corpos-Invisíveis-Sheila-Brandão

 

Para alguns corpos, a invisibilidade não é uma escolha, e sim uma predestinação social – tornando-os, dessa forma, apenas terra negra. Por meio de uma linguagem fragmentada e violências cotidianas, falamos sobre ser preto em uma sociedade racista. São vozes silenciadas unidas por um manifesto cênico potente em dor e poética, e que desta vez vão falar e serão ouvidas.

https://www.youtube.com/watch?v=8X4_VJCaXSc&feature=youtu.be

 

Dia 7, quinta-feira

Feira de Teatro Lambe-Lambe – Teatro de Caixeiros (Ribeirão Preto/SP)

11 às 13h | Terminal Rodoviário Laudo Natel | Grátis | Não é necessário retirar ingresso

A Feira de Teatro Lambe-lambe é um projeto coletivo de apresentação simultânea de diversas caixas lambe-lambe. Foi idealizada como um ponto de encontro dos integrantes do coletivo Teatro de Caixeiros, que realizam uma intervenção onde são apresentadas suas caixas e respectivas histórias em miniatura.

Link para vídeo/teaser: https://www.youtube.com/watch?v=9uJP-uG3WCM&t=95s

 

Alice&Baltazar ou Indevassável – Homero Ferreira (São José do Rio Preto/SP – Rio de Janeiro/RJ)

19 e 21h | Sede Cênica | Grátis | Class. 14 anos | Ingressos no local 1h30 antes

Alice teve sua vida revirada quando foi despejada do apartamento de Baltazar e ele não imagina o que ela planejou para chamar sua atenção. A janela, a avenida do samba, o carnaval e os 40m² do lugar desse encontro grotesco.

 

Em Trânsito – Cia. Território da Dança (São José do Rio Preto/SP)

20h30 | Cursinho Alternativo – Arena | Grátis | Não é necessário retirar ingressos

O espetáculo “Em Trânsito” desenha, através da expressão e consciência corporal, o cotidiano no espaço urbano tal qual a relação e percepção dos passantes desse ambiente, na busca da individualidade através do seu próprio eu.

Para Não Morrer – Espaço Cênico (Curitiba/PR)

21h30 | Cursinho Alternativo – Palco | Class. 14 anos | Ingressos no local 1h30 antes

Com temáticas femininas e feministas atreladas a questões políticas, especialmente da América Latina, a obra traz para a cena histórias verídicas da luta de mulheres, de ontem e de hoje. A atriz/narradora se apresenta com uma limitação física, mas insiste em falar e dá voz a muitas outras e traz à memória grandes feitos de perseverança contra a opressão. Para não morrer é corpo presente. Contragolpe. Exercício de Resistência.

https://www.youtube.com/watch?v=h-bkz-pQe8w&feature=youtu.be

 

Dia 8, sexta-feira

 

Expresso Caracol – Cia. dos Pés (São José do Rio Preto/SP)

15h | Instituto As Valquírias | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

Um teatro ambulante, que carrega a beleza da dança clássica e a magia do circo. O Expresso Caracol monta o palco e traz a poesia e o riso para um passeio. Artistas que carregam a vida e o espetáculo na mesma estrada. Um encontro divertido com obras clássicas.

https://www.youtube.com/watch?v=2qe-BmOhPeE

 

Alice&Baltazar ou Indevassável – Homero Ferreira (São José do Rio Preto/SP – Rio de Janeiro/RJ)

 

Alice teve sua vida revirada quando foi despejada do apartamento de Baltazar e ele não imagina o que ela planejou para chamar sua atenção. A janela, a avenida do samba, o carnaval e os 40m² do lugar desse encontro grotesco.

 

Serviço:

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 55 minutos

19h e 21h. Sede Cênica. Grátis. Retirada de ingressos no local 1h30 antes de cada sessão.

 

Romeu e Julieta – Cia. Talagadá (Itapira/SP)

20h30 | Cursinho Alternativo – Arena | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

Em meio ao lixo, tralhas e tudo mais que é descartado pela sociedade, cinco moradores de rua tentam subverter essa situação por meio do universo lúdico, no qual, suas figuras grotescas interpretam a si mesmas, utilizando-se de objetos, instalações, assemblagens, música e performance para recontar, a seu modo, o clássico Romeu e Julieta de William Shakespeare, cujo fim trágico é de conhecimento de todos, porém, as metáforas dos fatos que antecedem seu desfecho podem ser uma grande surpresa.

 

A Fé Que Acostumou a Falhar – Núcleo Arcênico de Criações (São José do Rio Preto/SP)

 

O Núcleo Arcênico de Criações propõe, neste novo trabalho, investigar os caminhos que a palavra “fé” nos abre. Desde seu espectro renovador de alento e resiliência, até as trincheiras do extremismo e da violência contra as divergências e as minorias. Desta forma, falar de fé mostrou-se uma berlinda contemporânea. Afinal, entre a inércia pacífica e o combate ao extremismo violento, a medida é incerta.

 

 

Serviço:

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 55 minutos

21h30. Cursinho Alternativo – Palco. Grátis. Retirada de ingressos no local a partir das 20h.

 

De Que Lado Você Fica? – Juliana Carolina (São José do Rio Preto/SP)

22h30 | Cursinho Alternativo – Bar | Class. 14 anos | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

Nos fechamos em bolhas sociais, discriminamos e incitamos o ódio a quem pensa ou é diferente de nós, colocamos nossos pensamentos como verdades absolutas, julgamos saber o que é melhor e mais correto. E, em meio a tudo isso, até que ponto estamos realmente levando em consideração e pensando no bem do próximo? Qual efeito sua opinião pode causar quando você decide de que lado fica?

Dia 9, sábado

Auto da Paixão e da Alegria – Cia. Espelunca de Teatro (São Carlos/SP)

 

Nesta comédia popular, cinco saltimbancos narram a história da passagem de Cristo na Terra. Acompanhado de música ao vivo, o espetáculo revela uma Jerusalém brasileira na qual o sagrado e o profano são celebrados juntos para investigar na fé e no riso um caminho para a reinvenção do mundo.

 

17h. Praça das Rosas. Grátis. Não é necessário retirar ingressos.

 

Bartleby – Cia. Bardos de Teatro (São José do Rio Preto/SP)

19h | Sede Cênica | Class. 16 anos | Grátis | Retirada de ingressos no local 1h30 antes

Herman Melville constrói o território absurdo e emblemático de um escrivão. “Bartleby” tem sua trajetória narrada por um advogado, que diante do posicionamento resistente do funcionário vê seu sistema de poder abalado. A célebre frase “Prefiro não”, referida pelo escrivão contra as imposições de seu superior, causou espanto no círculo literário de sua época e atravessa os tempos descortinando as relações humanas e provocando reflexões filosóficas e anti-imperialistas. O conflito estabelecido entre Bartleby e o advogado revela um ambiente de tensão e humor sofisticado, despertando no espectador um olhar dialético frente à ordem estabelecida e ao racionalismo exacerbado. Bartleby – O escrivão é o representante de uma nova ordem democrática que decompõe os velhos costumes, preferindo um novo estado de liberdade.

Vereda da Salvação – Núcleo de Formação Cênica (São José do Rio Preto/SP)

20h30 | Cursinho Alternativo – Arena | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

“Vereda da Salvação” é uma incursão cênica na obra de Jorge Andrade. O texto, escrito em meados de 1960, inspirado em um fato verídico ocorrido em 1955 no município de Malacacheta, Minas Gerais, trata de uma comunidade de trabalhadores rurais que, em sua busca por condições de vida minimamente dignas, mergulha no misticismo exacerbado de uma nova crença religiosa que a levará ao caminho da libertação. O espetáculo é resultado de pesquisas do Núcleo de Formação Cênica sobre o realismo poético de Jorge Andrade e sobre os aspectos fundamentalmente coletivos e sociais desta obra.

As Patacoadas de Cornélio Pires – Grupo Andaime Teatro (Piracicaba/SP)

21h30 | Cursinho Alternativo – Palco | Class. 10 anos | Grátis | Ingressos no local 1h30 antes

O Grupo Andaime volta o olhar para a magnífica obra de Cornélio Pires, genuinamente paulista, enraizada na figura mais representativa e autêntica de nossa cultura popular – o caipira. O processo de criação do grupo evoluiu naturalmente para a ampliação da visão do teatro folclórico, direcionando-o para a identificação de elementos arquetípicos e, como tal, presentes e vibrantes em todos nós, independentemente de regionalismos e peculiaridades.

Carnaval Psicológico – Jef Telles/Agrupamento Núcleo 2 (São José do Rio Preto/SP)

22h30 | Cursinho Alternativo – Bar | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

O artista multimídia propõe um passeio imagético e sonoro a partir de outros trabalhos já realizados, explorando a mistura de cores e ódios, sorrisos e texturas impressas no povo brasileiro.

Dia 10, domingo

 

Miguilim Mutum – Companhia Azul Celeste (São José do Rio Preto/SP)

17h | Ocupação Vila Itália | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

 

“Miguilim Mutum”, espetáculo para todos os públicos, inspirado no universo de Guimarães Rosa revela, aos poucos, a trajetória de um menino rumo ao aprendizado.

Entre morro e morro, Mutum.

Ali, neste lugar quase esquecido, mora Miguilim.

Na tentativa de resgatar sua cachorra Pingo de Ouro, ele se lança na estrada e, protegido por São Miguel Arcanjo, vai descobrindo as delícias e as desventuras do crescer e do aprender.

Nessa travessia, o menino Miguel, apelidado Miguilim, transforma-se interiormente, descobre sua miopia e se abre ao novo.

Águas de Encontrar – Silvia Suzy (São Paulo/SP)

19h | Sede Cênica | Grátis | Class. 14 anos | Retirada de ingressos no local 1h30 antes

Ao adentrar um ambiente deslocado no tempo e no espaço, a plateia é convidada através da arte de narrar histórias a uma reflexão sobre o erotismo, sondando os limites da liberdade, e passando pelas opressões que vivemos. Com delicado humor e sutil proximidade, exploramos os desdobramentos do sentir através de elementos como a chuva, a areia o incenso e o fogo.

Curra – Temperos Sobre Medéia – Contadores de Mentira (Suzano/SP)

20h30 | Cursinho Alternativo – Palco |Grátis | Retirada de ingressos no local a partir das 19h.

“Curra – Temperos Sobre Medéia” é uma celebração afro sobre o mito clássico. Um terreiro, uma arena, um banquete… Bebida, comida, pés descalços para celebrar o efêmero. Este espetáculo faz parte de um caminho antropológico iniciado em 1995 pelo grupo Contadores de Mentira. É baseado nas tradições do corpo encontrado nos ritos profanos, nos brincantes populares e, nas tradições do candomblé e mitos Orixás da Cultura Afro Brasileira.

 

Urbanidades – Corpo/Lentes (São José do Rio Preto/SP)

22h | Cursinho Alternativo – Bar | Grátis | Não é necessário retirar ingressos.

Que cidade mora na cidade? O que o trem pensa de nós? O que a trajetória do trem, os espaços arquitetônicos e as movimentações que hão nos corpos da cidade, sejam eles de pessoas, de animais ou de máquinas falam sobre a cidade? Estas e outras questões serão abordadas de forma lúdica e sensível, lançando mão da composição entre as lentes fotográficas e o corpo da dançarina, que interagem na cidade.

 

ATIVIDADES FORMATIVAS:

 

OFICINA: SISTEMA DE SOM E LIVE P.A.

Com o técnico de áudio, compositor e guitarrista Marcos dos Santos (Santos/SP). Atividade proporcionada pelo Festival Fluxxo dentro da Mostra Cênica Resistências.

Noções básicas de áudio, microfones, mesa de P.A. e monitor, mixagem, equalizadores, compressores / limiters, RTA (analizador de espectro), noise gate / expander, crossovers, amplificadores e caixas acústicas.

Teoria – Dia 6/2, quarta-feira, 13h às 16h30.

Prática – Dia 7/2, quinta-feira, 13h às 16h30.

Cursinho Alternativo.

Inscrições: https://fluxxo.cc/Oficina-Sistema-de-Som-e-Live-P-A

20 vagas. Livre. Grátis.

 

PAINEL CRÍTICO

Com o ator, diretor, jornalista e pesquisador Rodolfo Lima (São Paulo/SP).

Crítico convidado a provocar a escrita local e o olhar crítico do público para as obras teatrais da programação, Rodolfo Lima irá orientar três pessoas já selecionadas na execução de exercícios críticos diários. As atividades envolvem encontros, visando à construção dos exercícios críticos, e fruição – quando os selecionados assistem aos espetáculos. A ideia é que a partir dessa produção diária, o público acesse os trabalhos assistidos por meio de outros vieses, estimulando novas abordagens e provocando questionamentos.

Será possível acompanhar a produção dos exercícios críticos pelohttp://ciacenica.com.br/sit/mostracenica2019/ e no Cursinho Alternativo.

Currículo: Rodolfo Lima é ator, diretor, jornalista e mestre em “Divulgação Científica e Cultural”, pelo Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo – LABJOR/UNICAMP. Como artista, produz obras teatrais vertendo textos literários para a cena. Trabalhando com autores como Caio Fernando Abreu e Marcelino Freire, resultou respectivamente nas obras: “Réquiem para um rapaz triste” e “Bicha Oca”. Atualmente, pesquisa a relação entre gays e o teatro. Escreve resenhas críticas sobre teatro e cinema desde 2006, parte desse material pode ser conferido em seu blog pessoal http://www.ilusoesnasalaescura.wordpress.com.

De 6 a 10/2. Horários definidos entre os participantes.

Inscrições encerradas.

3 vagas. 18 anos. Grátis.

 

DIÁLOGO PÚBLICO: A QUE RESISTIMOS?

Roda de conversa propondo reflexões sobre arte e resistência em suas várias formas, envolvendo concepções, escolhas e práticas de criação, produção, manutenção, circulação, difusão, organização e protagonismo em políticas públicas. Mediação da atriz e bailarina Andrea Capelli.

Dia 7/2, quinta-feira, 9h30 às 11h.

Terminal Rodoviário Laudo Natel.

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

DEBATE SOBRE ESPETÁCULO TEATRAL “ALICE&BALTAZAR OU INDEVASSÁVEL”, DE HOMERO FERREIRA

Com Carmem Gadelha (Rio de Janeiro/RJ)

Debate mediado pela professora Carmem Gadelha, orientadora do projeto escrito e dirigido por Homero Ferreira durante sua graduação em Direção Teatral na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). O objetivo da atividade é contextualizar as pretensões da obra e ouvir o público presente.

Dia 7/2, quinta-feira, 22h.

Sede Cênica.

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

FALA ABERTA: “O BARROCO COMO ASPECTO DO GROTESCO E DO TRÁGICO”

Com Carmem Gadelha (Rio de Janeiro/RJ)

Nessa atividade, Carmem Gadelha aponta questões sobre a cena contemporânea, a partir da indagação sobre modos de comparecimento do trágico. Com Walter Benjamin, os elementos constitutivos da linguagem barroca operam na dinâmica de um mosaico onde cada parte contém a totalidade, numa tensão entre passado e futuro. Essa tensão configura um presente fora de causalidade e cronologia: o que se apresenta são os confins da vida, da civilização, da razão. O louco e o selvagem são personagens recorrentes. Artaud mostra o processo de desmanche de cronologias onde a cena assume feições alegóricas. Daí os aspectos grotescos e trágicos, fazendo tudo transbordar em desmedida e afrouxando os nós da narrativa teatral.

Currículo: Carmem Gadelha é professora do Curso de Direção Teatral e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena – Escola de Comunicação/UFRJ. Autora de “História do teatro brasileiro” (FUNARTE/UFRJ/UERJ, 1996) e de “Corpo, espaço, tempo: indagações sobre poética do teatro” (Rio, Editora Aretê, 2013). Organizou a coletânea de ensaios “Arte: cena crítica” (Rio, Circuito Editora, 2017). É autora de ensaios e artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais.

Dia 8/2, sexta-feira, 10h às 11h30.

Cursinho Alternativo.

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

LANÇAMENTO DO LIVRO “A POESIA DO ATOR – O OFÍCIO E A FORMAÇÃO DO INTÉRPRETE SOB UMA PERSPECTIVA ARISTOTÉLICA”, DE DOUGLAS NOVAIS (CAMPINAS/SP)

Publicada pela Giostri Editora, a obra é fruto de um encontro entre um ator e as obras de Aristóteles, um conjunto de meditações sobre o ofício e a formação do ator. O primeiro capítulo, ao tratar da estrutura do conhecimento segundo Aristóteles, assim como sua relação com a formação do ator, lança bases para o capítulo seguinte, o núcleo da obra, que é a leitura dos principais conceitos da Poética, sob o ponto de vista de um ator: Imitação, Arte, Metáfora, Ação e Catarse. Na última parte, apresenta a síntese e a transcendência desse conteúdo, com meditações e elucubrações sobre temas como a busca por estar na realidade, a presença, a percepção e a intuição do ator, a inspiração e o acaso no ato criativo e a natureza da ação dramática.

Currículo: Natural de Bebedouro e radicado em Campinas, Douglas Novais é doutor em Artes Cênicas pela Unicamp. Ator, diretor, professor de teatro e gestor cultural. É ator e coordenador do grupo Os Geraldos, fundado em 2008. Na docência, passou pelo Conservatório Carlos Gomes (Campinas), Pós-graduação em Gestão Cultural do Senac-SP e Pós-graduação em Teatro, Dança e Produção cultural da Universidade do Sagrado Coração (Bauru-SP). Desde 2013, é assistente de curadoria do Programa de Qualificação em Artes (Projeto Ademar Guerra) do governo do estado de São Paulo.

Dia 8/2, sexta-feira, 20h.

Cursinho Alternativo

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

OFICINA: A POESIA DO ATOR

Com Douglas Novais (Campinas/SP)

A oficina teórica apresenta os princípios de uma investigação sobre o ofício e a formação do ator, tendo como ponto de partida as obras de Aristóteles. Refletindo sobre a estrutura do conhecimento e seu vínculo com a arte dramática, a oficina aborda a natureza do ato criativo e o percurso que se estabelece entre noções como percepção, experiência, intuição, consciência, técnica, inspiração e acaso, na busca por uma ação poética

Dia 9/2, sábado, 10h às 13h

Cursinho Alternativo

Inscrições meia hora antes no local, por ordem de chegada.

20 vagas. Público-alvo: atores, bailarinos, intérpretes, performers, estudantes e pesquisadores em artes, artistas em geral e interessados a partir de 16 anos. Grátis.

 

EXIBIÇÃO DO VIDEODOCUMENTÁRIO “O TEATRO DE MEMÓRIA DO GRUPO ANDAIME”, SEGUIDO DO DEBATE “O UNIVERSO CAIPIRA E A TRADIÇÃO ORAL”

Com Antonio Chapéu, do Grupo Andaime (Piracicaba/SP)

A atividade compreende a exibição do vídeo-documentário “O Teatro de Memória do Grupo Andaime” e um debate coordenado por Antonio Chapéu (fundador do grupo), apresentando o processo de criação do coletivo. O documentário aborda o processo de criação da peça “Comovento”, com depoimentos do diretor Francisco Medeiros, do dramaturgo Luís Alberto de Abreu e do cenógrafo e figurinista Márcio Medina. A direção do documentário é de Thiago Altafini e foi produzido pela Urgência Filmes. Apresenta a trajetória do Andaime e o universo de pesquisa do grupo, voltado para a cultura local, na perspectiva de cantar a sua aldeia.

Currículo: Antonio Chapéu é um dos fundadores do grupo Andaime que existe há 33 anos. Coordenou o Setor de Teatro da Universidade Metodista de Piracicaba por 31 anos. É formado em Comunicação Social pela Unimep, com especialização em Arte Educação pela ESALQ/USP. Participou de todas as montagens do Grupo Andaime como ator e/ou diretor. Também é produtor cultural e coordenador do Ponto de Cultura Garapa e da Associação Cultual Arte.

Dia 9/2, sábado, 14h às 16h

Cursinho Alternativo

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

DIÁLOGO PÚBLICO: RESISTIMOS A QUÊ?

Roda de conversa propondo reflexões sobre arte e resistência em suas várias formas, envolvendo concepções, escolhas e práticas de criação, produção, manutenção, circulação, difusão, organização e protagonismo em políticas públicas. Mediação da atriz e bailarina Andrea Capelli.

Ocupação Vila Itália

Dia 10/2, domingo, 15h30 às 17h

Não é necessário fazer inscrição. Livre. Grátis.

 

BAR CULTURAL

(Cursinho Alternativo)

 

Dia 6, quarta-feira

 

23h – Elas Cantam Elas, com trio JEZ

Formado por Jaqueline Cardoso, Elis Ribeiro e Zu Laiê, o JEZ apresenta o show “Elas Cantam Elas”, uma imersão no universo feminino da composição, interpretação e execução musical.

Ficha técnica: Elis Ribeiro (vocais, violão e saxofone), Jaqueline Cardoso (vocais, violão e bateria), Zu Laiê (voz e percussão) e Clara Tremura (produção)

Link para vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=yxMA_V-tc1M&feature=youtu.be

 

0h – Fake MixTape: Saravenses, com Jeff Santanielo

Fake Mixtape não é um DJ Set. Trata-se de uma série de playlists temáticas guiadas pela ampla memória rebolativa brasileira, elaboradas para animar rolos & rolês. O repertório é rearranjado em tempo real e, utilizando o Spotify, o público pode colaborar sugerindo músicas, adicionando sua sugestão nas playlists colaborativas de cada noite, já disponíveis no serviço de streaming.

Na noite “Saravenses”, mandingas discretas para o cidadão de bem.

Link para a playlist: http://bit.ly/saravenses

 

Dia 7, quinta-feira

 

23h – Psicodelia Nordestina, com Coração Selvagem

Munida de seus instrumentos e vozes elétricas, a banda Coração Selvagem dá luz ao show “Psicodelia Nordestina”, transitando entre as ricas canções daquela região.

Ficha técnica: Filipe Murbak (bateria), Mateus Mendonça (contrabaixo), Diego Guirado (guitarra e voz) e João Pedro Liossi (violão e voz).

 

0h – Festival Fluxxo, com as bandas Judas no Deserto (Santana de Parnaíba), Obinrin Trio (São Paulo), Suco de Lúcuma (São Paulo) e Sujeito Coletivo (São Paulo) e a rapper Meire D’Origem (São José dos Campos).

Festival de música independente e itinerante que busca proporcionar a bandas e artistas do estado de São Paulo uma experiência de circulação estadual, com apresentações e capacitações. Cada participante fará uma apresentação de 30 minutos.

 

Dia 8, sexta-feira

 

23h – Griots África Brasil

A banda Griots África Brasil faz nesse show um passeio pelo reggae, rap e funk e apresenta músicas autorais que contam a história dos negros, das lutas e dos movimentos sociais.

Ficha técnica: Taroba (voz), Tainá Maia (guitarra e voz), Lalas (baixo) e Dé (bateria). Participação especial: Bellá.

 

0h – Fake MixTape: Calada a Noite Preta, com Jeff Santanielo

Pacotão anos 90 com direito a temas de novelas, 7 Melhores da Jovem Pan, Axé Bahia 97 e, é claro, MOLEJO.

Link para a playlist: http://bit.ly/caladanoitepreta

 

Dia 9, sábado

 

23h – Dona Encrenca

À frente da banda Dona Encrenca, a artista Jaqueline Cardoso interpreta nesse show releituras de clássicos da música baiana em uma linguagem atual, misturados a grandes sucessos dos dias de hoje. É o saudoso Axé 90 repaginado.

Ficha técnica: Jaqueline Cardoso (voz e direção musical), Kauê Rocha (percussão e direção musical), Bruce Lima (guitarra e direção musical), Gilberto Gubolin (baixo), Luis Fernando (bateria), Alla Cabral (timbal), Mauricio Zacarias (saxofone e teclado) e Clara Tremura (produção).

 

0h – Fake MixTape: FUNK como NO LE GUSTA, com Jeff Santanielo

Funk carioca de A a Z.

Link para a playlist: http://bit.ly/funkcomonolegusta

 

Dia 10, domingo

 

22h30 – Zeca Barreto

Neste show, o músico Zeca Barreto apresenta uma seleção de canções autorais bem como as suas principais influências. João Bosco, Baden Powell, Paulinho da Viola e Cartola estão o repertório.

Ficha técnica: Zeca Barreto (voz e violão) e Douglas Sendem (bateria).

Link para vídeos:

https://www.youtube.com/watch?v=2M0rNSNM6Gc

https://www.youtube.com/watch?v=DiSHsa6SOY4

 

ENDEREÇOS:

Cursinho Alternativo: Av. Nossa Senhora da Paz, 1032 (acesso pela Rua Pedro de Carvalho) – Jd. Alto Alegre

Instituto As Valquírias: Rua Paschoal de Crescenzo, 599 – Vila Mayor

Ocupação Vila Itália: Av. Marginal Fepasa, nº 151 – Vila Itália (referência: prolongamento da Rua Guiomar Assad Calil)

Praça das Rosas: Av. das Hortênsias, altura do nº 180 – Jd. dos Seixas

Praça Dom José Marcondes: Centro

Sede Cênica: Av. das Hortênsias, 263 – Jd. dos Seixas

Sesc Rio Preto: Av. Francisco Chagas Oliveira, 1333 – Chácara Municipal

Terminal Rodoviário Laudo Natel: R. Pedro Amaral – Centro

 

 

Para conferir mais informações sobre a MOSTRA CÊNICA RESISTÊNCIAS, basta acessar o http://ciacenica.com.br/sit/mostracenicaresistencias/.