Esse é o primeiro texto opinião que o Mirassol Conectada está publicando desde o seu surgimento, em 2015. O jornal sempre fez questão de manter a neutralidade diante de polêmicas para garantir assim total independência e liberdade editorial, mas uma situação em especial começou a despertar a nossa atenção recentemente: a Área Azul de Mirassol.

Como muitos devem saber, vários municípios adotam o sistema de cobrança por estacionamento rotativo no centro das cidades. Conhecida como “zona azul”, a medida tem como objetivo melhorar o trânsito dessas regiões e aumentar a oferta de vagas de estacionamento nas ruas. Esse sistema já foi adotado em Mirassol em duas oportunidades; a primeira durante a gestão do ex-Prefeito Júnior Ricci, e mais recentemente a empresa WAGA foi contratada para retomar a cobrança pela atual administração, gerida pelo Prefeito André Vieira (PTB).

Em funcionamento desde julho de 2019, a Área Azul de Mirassol tem acumulado polêmicas e problemas, muitos defendem a cobrança como a solução para um melhor trânsito no centro, e que de fato melhorou, é muito fácil hoje em dia encontrar uma vaga disponível próximo a qualquer local que você precisar ir, sem contar que o tráfego nessa região também passou a ter mais fluidez. Porém isso me parece mais uma consequência natural do serviço do que uma recompensa, o que não impede que a prestação do serviço deixe, e muito, a desejar.

O sistema implantando pela WAGA cumpre o seu papel de garantir vagas de estacionamento, mas também trouxe uma série de insatisfações desde o começo das atividades. Primeiro: o sistema de pagamento no início era feito exclusivamente por um aplicativo, o que gerou muita confusão principalmente por parte das pessoas que não possuem ou não são completamente familiarizadas com as funções de um smartphone. Afinal, para utilizar o app é necessário preencher uma série de informações, cadastrar carros, cartões de débito e crédito, entre outros.

Os agentes contratados pela empresa no início não recebiam pagamento em dinheiro para vender horas e todo esse começo mal planejado gerou uma onda de multas, já que ao estacionar o motorista tinha apenas 3 minutos de tolerância para colocar o “cartão” pelo app ou se dirigir até o container da empresa instalado na Praça. Nessa época houve o registro de várias situações onde motoristas hostilizaram funcionários da empresa depois de serem multados. O valor da notificação era de R$ 40 e se não fosse paga em 24h se convertia em uma multa de trânsito grave (5 pontos e mais de R$ 190 de multa).

Passados oito meses desde o início da Área Azul, algumas coisas mudaram no funcionamento do serviço, o tempo de tolerância subiu para 6 minutos, os agentes da empresa passaram a receber pagamento em dinheiro e o valor da multa caiu para R$ 20. Porém uma coisa não mudou: a prestação do serviço passa longe de ser eficaz e constantemente é motivo de reclamação nas redes sociais.

Muitos usuários reclamam que o tempo de tolerância não é respeitado e isso é um fato, pois nossa equipe já passou por essa situação diversas vezes. Existem poucos fiscais para todas as vias cobertas pelo serviço, uma vez parei ao lado do Correios e não consegui acessar o app para comprar o cartão, nas proximidades não tinha um local identificado e nenhum funcionário da empresa a vista e olha que eu estava em um cruzamento, tentei arriscar entrar no Correios rapidinho e quando dei as costas uma funcionária virou da outra esquina e veio conferindo a placa de todos os carros estacionados. Esperei ela chegar até mim e pedi informações sobre onde poderia comprar o cartão, ela me indicou e consegui pagar R$ 1 por 30 minutos, por poucos segundos não fui multado.

Essa não foi a primeira vez que estacionei no centro e não consegui encontrar os pontos de venda (muitas vezes por falta de uma identificação adequada) ou então um funcionário da empresa, esses parecem ser cada vez mais escassos e tenho a impressão de que são poucos para o tamanho da área que precisam fiscalizar, sem contar que o fato de ter um agente para vender horas e outro exclusivo para fiscalizar torna tudo mais confuso, pois um fiscal que cobre várias ruas não tem como saber se alguém que acabou de estacionar ainda está dentro do tempo tolerância, são infinitas as reclamações de usuários que são multados antes mesmo de conseguirem comprar o cartão.

O resultado de um serviço precário prestado pela empresa WAGA está colocando em risco a integridade dos seus funcionários, circulam vídeos pelas redes sociais que mostram usuários indignados fazendo ameaças, insultando e até mesmo agredindo os fiscais, que muito provavelmente apenas cumprem ordens “de cima” para garantir o salário que sustenta a casa no começo de cada mês. Não me parece lógico que um simples funcionário se esconda para multar os motoristas de propósito, até onde sabemos eles não ganham comissão por multa. Deus nos livre de algum dia essa situação sair de controle e alguém de cabeça quente fazer alguma besteira. Porque raiva dá!

Falta um pouco de bom senso também aos fiscais, uma situação desnecessária aconteceu conosco e descobrimos que aconteceu o mesmo com outras pessoas. Estacionamos e colocamos o cartão através dos créditos no aplicativo, como o sistema de geolocalização nunca funcionou (pelo menos comigo), sempre coloco as horas pelo número da vaga no chão e a placa do carro.

O que aconteceu? Estacionamos e erramos UM DÍGITO na hora de colocar a placa e fomos multados. Imagine que seu carro é um Gol, com placas AAA-0015 e que está estacionado na vaga número 999. O fiscal chega e confere pelo app que um veículo Gol, estacionado na vaga 999, tem a placa AAA-0016, mas o carro (que também é um Gol estacionado na vaga 999) tem a placa AAA-0015. O que você deduz? Algum engraçadinho tentando estacionar sem pagar? Ou alguém que infelizmente apenas errou na hora de digitar no celular? Se tivesse colocado placa ABC-8998 eu até entenderia pela diferença grotesca, mas pô… só UM DÍGITO errado, um 6 no lugar de 5, é tão difícil fazer essa associação? Por isso digo que às vezes falta bom senso aos funcionários para evitar confusões. Resumindo: paguei pela hora estacionada e ainda tive que pagar a multa que era de R$ 40 na época.

O texto não é para se posicionar contra ou a favor de área azul, mas sim para explicitar que o serviço prestado atualmente em Mirassol é ruim, falho, gera muita insatisfação por parte dos usuários e está colocando a integridade física e moral dos seus funcionários em risco. Uma solução precisa ser pensada para que o serviço pelo menos funcione adequadamente e mude essa realidade. Pontos de venda devidamente identificados, mais fiscais em operação e uma empresa que chame mais a responsabilidade para si e não deixe os seus funcionários expostos a riscos como estão se expondo.