O prefeito de São José do Rio Preto, Edinho Araújo, e o diretor de assuntos Regulatórios e Institucionais da Rumo, Guilherme Penin, participaram de uma coletiva de imprensa virtual na última sexta-feira, 19, onde anunciaram que a obra de contorno ferroviário na região deve ter início em breve e ser concluída em 2026 com um custo aproximado de R$ 500 milhões.

“Iremos fazer investimentos de mais de 6 bilhões em toda a malha paulista, desse total, R$ 1 bilhão será investido para evitar o conflito entre a ferrovia e o trecho urbano das cidades. A região que mais receberá investimentos será a região de Rio Preto, quase 500 milhões”, afirmou Guilherme.

Serão 59 quilômetros de extensão do contorno ferroviário, com 25 obras, sendo 20 viadutos ferroviários e cinco pontes. “Esse é um momento histórico para a região de Rio Preto e para o Estado de São Paulo. Muitos acidentes serão evitados, a economia vai ser aquecida, vamos melhorar o trânsito da nossa cidade e das cidades próximas. Em um momento tão difícil como este que estamos passando essa é uma notícia muito importante”, disse o prefeito de Rio Preto.

Em Rio Preto a malha férrea tem extensão aproximada de 15 quilômetros, em diversos pontos a ferrovia e as avenidas se cruzam atrapalhando o trânsito no local. Em Mirassol, a situação não é muito diferente, a linha corta aproximadamente 7 quilômetros de vias e avenidas do município, incluindo o centro. Com o contorno ferroviário será possível desviar os trens do centro dessas cidades.

“O novo traçado ficará distante no mínimo 10 quilômetros do território urbano, ou seja, bem longe das rodovias e das avenidas da cidade. Com isso poderemos transitar com nossas composições a uma velocidade média de 60km/h, quase o dobro do permitido atualmente no trecho urbano. Esse crescimento irá possibilitar maior escoamento da produção, de 35 mil toneladas para 75 mil toneladas por ano”, informou o diretor da Rumo.

O prefeito Edinho também falou sobre a sua intenção de que os trilhos permaneçam na cidade após a conclusão da obra do contorno ferroviário.

“Nós já pedimos para o governo Federal e estamos reiterando o nosso desejo de permanecer com os trilhos. Nestes locais queremos conceder a iniciativa privada a instalação de VLT’s que poderão interligar vários bairros e outras cidades da nossa região. Nossa ideia é melhorar o transporte urbano e regional com a linha férrea já existente”, reiterou o prefeito.

O contrato de prorrogação da concessão da malha ferroviária paulista, que venceria em 2028, foi renovado de forma antecipada no final de maio por mais 30 anos (até 2058). As obras e intervenções na malha, incluindo os investimentos necessários, é uma contrapartida da empresa.

A Rumo informou que neste momento a obra está em fase de licenciamento ambiental. Essa fase deve durar pelo menos 10 meses. Assim que o licenciamento for aprovado a previsão é que a obra efetiva tenha início em 2022 com término em 2026, e deve contemplar as cidade de Rio Preto, Mirassol e Cedral.

O desvio começa antes de Cedral e o contorno é feito pelo sul dos municípios, passando por Bady Bassit e fazendo a ligação novamente com a linha próximo a rodovia Washington Luís, depois do bairro Vale do Sol, em Mirassol.