Com mais de 20% da população vacinada com pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19, Mirassol chegou a uma taxa de vacinação superior à média nacional e estadual. De acordo com dados do site “Vacina Já” do governo paulista, até esta quinta, 13 de maio, 12.373 moradores da cidade já tinham recebido a primeira dose da vacina, o que representa 20,5% da população. Já em todo o Brasil, a média da população vacinada com a primeira dose é de 17,57% e no Estado de SP a média é de 19,47%.

A taxa em relação a segunda dose da vacina também é superior à média nacional e inferior a estadual, em Mirassol, 10,52% da população já recebeu a segunda dose do imunizante contra a covid. No Brasil a média de pessoas que recebeu as duas doses de vacina é de 8,81% e no estado de 10,71% da população.

E a taxa cresce conforme a campanha de vacinação continua em Mirassol, nesta quinta, 13, será atendido o grupo de pessoas de 57 e 56 anos que possuem uma ou mais comorbidades. No dia 14 de maio (sexta-feira) vai receber as doses o grupo de pessoas com 55 anos, que também possuem uma ou mais comorbidades.

Ao longo dessa semana também começaram a ser atendidas pessoas com Síndrome de Down, transplantados e pacientes renal-crônicos que fazem hemodiálise, pessoas com deficiência permanente que têm entre 55 e 59 anos e recebem benefício de prestação continuada da assistência social (BPC) e pessoas de 59 a 58 anos que possuem uma ou mais comorbidades.

Campanha de vacinação contra a covid em Mirassol (Foto: Assessoria de Imprensa da PMM)

Orientações e requisitos para vacinação

Para receber as doses, qualquer pessoa com comorbidades e que integre os grupos anunciados deve apresentar comprovante da condição de risco por receitas, relatório ou prescrição médica. Os cadastros previamente existentes em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também podem ser utilizados.

A orientação vale tanto para as pessoas na faixa etária de 55 a 59 anos quanto para as pessoas com Down, em hemodiálise e transplantados – para este último grupo, é também recomendável a apresentação de receita médica do medicamento imunossupressor em utilização pelo paciente.

Já as pessoas com deficiência permanente precisam apresentar o comprovante do recebimento do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Relação de comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde:

  • Doenças Cardiovasculares
    • Insuficiência cardíaca (IC)
    • Cor-pulmonale (alteração no ventrículo direito) e Hipertensão pulmonar
    • Cardiopatia hipertensiva
    • Síndromes coronarianas
    • Valvopatias
    • Miocardiopatias e Pericardiopatias
    • Doença da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas
    • Arritmias cardíacas
    • Cardiopatias congênitas no adulto
    • Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
    • Diabetes mellitus
    • Pneumopatias crônicas graves
    • Hipertensão arterial resistente (HAR)
    • Hipertensão arterial – estágio 3
    • Hipertensão arterial – estágios 1 e 2 com lesão e órgão-alvo e/ou comorbidade
    • Doença Cerebrovascular
    • Doença renal crônica
    • Imunossuprimidos (transplantados; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas em uso de corticoides; pessoas com câncer).
    • Anemia falciforme e talassemia maior (hemoglobinopatias graves)
    • Obesidade mórbida
    • Cirrose hepática