Procedimento foi transmitido ao vivo durante o CICE – Congresso de cirurgia endovascular da América Latina (foto: divulgação)

A equipe multidisciplinar do Austa Hospital, de Rio Preto, realizou, na última quinta-feira (23), em seu centro cirúrgico, um procedimento minimamente invasivo que foi transmitido ao vivo no maior congresso de cirurgia endovascular da América Latina, o CICE. O procedimento foi realizado em uma mulher que tem a Síndrome de May-Thurner, como é chamada a compressão da veia ilíaca esquerda, que resulta em varizes, mas com o risco de causar um problema ainda mais grave, a trombose venosa profunda.

A Síndrome de May-Thurner tem sido cada vez mais frequente, sobretudo entre mulheres de 20 a 50 anos. Estudos médicos apontam que elas respondem por 72% dos casos.
Este procedimento desperta o interesse de médicos de vários países porque substitui a cirurgia convencional, em que antes exigia a abertura da barriga para operar. Já nesta técnica mais avançada, o cirurgião Augusto da Silva, do Austa Hospital, fez uma punção de poucos milímetros na veia femoral, na virilha, por onde introduziu um cateter que transportou um stent, como é chamado o pequeno tubo que foi colocado dentro da veia, eliminando a compressão.

Dr. Augusto ressalta que, por ser minimamente invasivo, o procedimento oferece benefícios ao paciente. “A duração é de, no máximo, uma hora e a paciente tem alta hospitalar no dia seguinte, podendo voltar logo à vida normal”, afirma.

O cirurgião do Austa Hospital alerta para as pessoas, sobretudo, mulheres, ficarem atentas aos sintomas caraterísticos da Síndrome de May-Thurner. “A compressão. causa lesões no endotélio, o revestimento interno da veia, causando estreitamento e levando à formação de trombos e ao surgimento de varizes pélvicas, devido ao acúmulo de sangue nesta área. Esta condição compromete a circulação da perna, agravando o quadro de varizes, inchaço e, em casos mais avançados, culminando na trombose venosa profunda”, explica o médico.

O diagnóstico da Síndrome é durante exame clínico e, quando há a suspeita, o médico confirma ou não sua existência através de ultrassonografia (eco doppler), tomografia ou ressonância magnética, exames diagnósticos realizados somente em grandes centros médicos, como o Austa Hospital.

O procedimento é minimamente invasivo e oferece benefícios aos pacientes (foto: divulgação)

O ultrassom permite ao médico visualizar a área comprimida e os sinais dos trombos, além de confirmar a assimetria do fluxo circulatório (retorno venoso), quando compara o lado esquerdo com o direito.

A professora Karina Perez é um exemplo do quanto a síndrome é ainda desconhecida. Seis anos atrás, após perceber um edema na perna, ela procurou Dr. Augusto, que decidiu fazer o procedimento. “Foi muito tranquilo. Tive alta hospitalar logo depois e voltei às minhas atividades. Nunca mais senti as pernas pesadas nem tive edema. E olha que, como professora, fico muito tempo em pé”, disse Karina. Desde então, em suas redes sociais, ela publica informações sobre a Síndrome de May-Thurner para que as pessoas se atentem para os sintomas e se consultem com médico.

Sobre o Austa Hospital

O Austa Hospital, de São José do Rio Preto, é uma das maiores organizações de saúde da região noroeste do estado de São Paulo e referência do setor em assistência humanizada, qualidade e segurança no atendimento e serviços. Integra a holding de serviços de saúde Hospital Care, que também reúne o Austa Medicina Diagnóstica, o Instituto de Moléstias Cardiovasculares – IMC e a operadora de saúde Austa Clínicas, formando o Hub São José do Rio Preto.

O Austa Hospital possui profissionais referenciados em suas especialidades e altamente capacitados e dispõe de moderno centro cirúrgico com sete salas para realizar até grandes procedimentos, alta tecnologia em diagnósticos, 40 leitos em UTIs (adulto e pediátrica/neonatal) e mais 100 leitos de hotelaria, com quartos climatizados, ambiente confortável e seguro, tanto para pacientes quanto para acompanhantes.

Destaca-se também pelos Serviços de Exames de Imagens, com equipe multiprofissional altamente especializada e modernos equipamentos nas áreas de hemodinâmica, cardiologia, endovascular, neurorradiologia, endoscopia, tomografia, ressonância magnética e radiodiagnóstico.

Desde 2004, a instituição está comprometida com as seis metas internacionais de segurança do paciente estabelecidas pela Joint Commission International, em parceria com a OMS. Em 2019, conquistou a Acreditação ONA com Excelência – nível 3, que atesta que o Hospital possui excelência em gestão, com foco em segurança e transparência, buscando sempre a melhoria contínua da qualidade assistencial